• Ricardo Figaro

“Vamos preparados para três shows infernais”, diz vocalista do Soilwork prestes a desembarcar no Bra


Apesar de ter sido formado em 1995, na cidade de Helsingborg, o Soilwork sempre teve o seu nome atrelado aos principais representantes do movimento “New Wave of Swedish Death Metal” – popularmente conhecido como “Gothenburg Metal Sound” – como In Flames, At The Gates e Dark Tranquillity.

Após o lançamento dos álbuns “A Predator's Portrait” (2001), “Natural Born Chaos” (2002) e “Figure Number Five” (2003), a banda saiu do anonimato para se tornar um ícone cult da cena heavy metal européia, chegando a figurar como o principal expoente do death metal mundial, invadir a capa das principais revistas especializadas e abrir as portas dos grandes festivais da Europa como Waken Open Air, Hellfest, Rock Hard, entre outros. Foram 21 longos e tortuosos anos para que o Soilwork finalmente desembarcasse na América do Sul pela primeira vez na carreira, seguindo a trilha dos compatriotas In Flames, Ghost, Opeth, Amon Amarth, Arch Enemy, Dark Tranquillity, At the Gates, Meshuggah, Deathstars, Hammerfall, Evergrey, entre tantos outros. Björn "Speed" Strid (vocal), Sven Karlsson (teclado), Sylvain Coudret (guitarra), David Andersson (guitarra), Markus Wibom (baixo) e o novato Bastian Thusgaard (bateria), que tem a dura missão de substituir Dirk Verbeuren (Megadeth), vão conhecerem o calor e a devoção dos fãs brasileiros, neste final de semana, no Rio de Janeiro (09/09 – Teatro Odisséia), São Paulo (10/09 – Clash Club) e Curitiba (11/09 – Music Hall).

A turnê é para promover o aclamado novo álbum “The Ride Majestic”, porém, a promessa é que o setlist será um verdadeiro best of desta longa jornada. Com a palavra, o frontman Björn "Speed" Strid...

por Clovis Roman/Mosh Magazine *o conteúdo desta entrevista pode ser publicado, na integra ou parcialmente, com os devidos créditos Durante os meses de fevereiro e junho de 2015, vocês ficaram trancafiados em estúdio gravando “The Ride Majestic”. Atualmente, com todas as facilidades tecnologias, etc, podemos dizer que é muito tempo para uma banda gravar um disco. Houve alguma razão para isso?

Björn “Speed” Strid: Infelizmente, demoramos todo este tempo, porque alguns integrantes tiveram perdas em suas famílias. Tudo aconteceu dentro de um mês. Foi algo muito surreal. Era quase como se alguém estivesse tentando nos dizer para pararmos as gravações. No entanto, nós amadurecemos e acho que a música se tornou o nosso maior conforto. Além do que, tudo isso nos deixou mais próximos e isso afetou nossas performances no álbum. Há muito de cada um de nós, algo pessoal neste disco, e isso é muito real, perceptível. Estou muito orgulhoso deste trabalho, principalmente pela nossa determinação. Seu último disco já foi lançado há um ano. Vocês pretendem lançar alguma coisa nova em breve?

Björn “Speed” Strid: Temos algumas ideias soltas, mas nada concreto. No entanto, vamos começar coisas novas em breve. "Death Resonance" e "Helsinki" são a melhor prova que já estamos com o pé em um próximo álbum.

Nos shows no Brasil, vocês pretendem tocar "Death Resonance", por exemplo? Qual é o setlist que vocês tem em mente?

Björn “Speed” Strid: Bem, como esta é a nossa primeira vez no Brasil não estamos pensando em tocar nada do "Death Resonance". Na verdade, vamos nos concentrar em "álbuns reais" . Vai ser um grande setlist, confie em mim! Recentemente, o baterista Dirk Verbeuren deixou Soilwork para entrar no Megadeth. Foi uma mudança repentina ou você já sabia que as negociações estavam em curso?

Björn “Speed” Strid: Na verdade, não me surpreende em nada Dave Mustaine chamar Dirk para se juntar ao Megadeth. Eu vi Dirk tocando com eles no Sweden Rock Festival e estava incrível. Felizmente, encontramos Bastian Thusgaard, que está fazendo um trabalho incrível conosco e a receptividade do público tem sido brilhante. Os fãs não tem o que se preocupar, tudo soa fantástico!!! Mas Bastian Thorsgaard já foi efetivado como um membro oficial?

Björn “Speed” Strid: Nós ainda não o confirmamos como um membro permanente, mas ele está fazendo tudo perfeitamente bem e dando conta do recado. Nós apenas queremos ter certeza que podemos fazer longas turnês para tomarmos uma decisão.

Vocês vão se apresentar no Brasil apos 21 anos de carreira. Pode soar clichê, mas quais são as expectativas de tocar em Curitiba, São Paulo e Rio de Janeiro?

Björn “Speed” Strid: Nós ouvimos muitas coisas boas e impressionantes das bandas suecas que recentemente tem invadido o Brasil. Agora é a nossa vez de conhecermos o calor e vibração maravilhosa do público brasileiro. Eu estou super animado e ansioso para tocar ai. Espero experimentar algumas bebidas e comidas gostosas, além de ter tempo para fazer turismo. Muito obrigado pela entrevista. Por favor, deixe uma mensagem aos fãs brasileiros!

Björn “Speed” Strid: Muito obrigado a todos por ter nos esperado por tantos anos e por ser tão leais ao nosso trabalho. Nos vemos neste final de semana e venham preparados para um show infernal!!!! Os compromissos do Soilwork pela América Latina são os seguintes:

09/09 – Teatro Odisséia – Rio de Janeiro, Brasil 10/09 – Clash Club – São Paulo, Brasil 11/09 – Music Hall – Curitiba, Brasil 13/09 – Uniclub – Buenos Aires, Argentina 14/09 – MM Box – Montevidéu, Uruguai 16/09 – Blondie – Santiago, Chile 17/09 – The Blood – Lima, Peru 18/09 – Auditorio Lumiere – Bogotá, Colômbia 20/09 – Lunario - Miguel Hidalgo, México

Links relacionados: https://www.facebook.com/soilwork https://www.facebook.com/liberationmcofficial https://www.facebook.com/UltimateMusicPR

#Show #Rock

3 visualizações
© 2020 Shock Rádio Web